quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

História do Coelhinho Branco e o Natal Atribulado

O Coelhinho Branco e o Natal Atribulado
(adaptação da história de Xose Ballesteros e Óscor Vilán)

Personagens da história:
Narrador – avó
Coelhinho Branco
Cabra Cabrês
Porquinho
Pata Margarida
Capuchinho Vermelho
João Ratão
PERSONAGENS SECUNDÁRIAS: 2 netos e carochinha que apenas entra a cantar

Narrador – A história que vos vou contar é de um coelhinho Branco que um dia foi buscar couves à horta para fazer o seu caldinho para a ceia de Natal.
(música do coelhinho)
Quando o coelhinho branco voltou para casa, encontrou a porta fechada e bateu: Truz, truz…
Cabra - Quem é?
Narrador –Perguntou um vozeirão de lá de dentro.
Coelho – Sou eu o coelhinho branco que venho de colher couves e vou fazer o meu caldinho de Natal.
Cabra – Pois eu sou a cabra cabrês e se não te vais salto-te em cima e faço-te em três.
Narrador – O pequeno coelho branco fugiu dali correndo muito depressa. Andando, andando o coelhinho branco encontrou o porquinho e pediu-lhe ajuda.
(música dos 3 porquinhos)
Coelho – Eu sou o coelhinho branco e fui colher couves à horta. Regressei à minha casa para fazer um caldo, mas estava lá a cabra cabressa que me salta em cima e parte-me a cabeça. Queres vir comigo?
Porco- Eu não porque tenho de construir a minha casa, mas vai ter com o capuchinho vermelho que talvez te ajude.
Narrador – o coelhinho branco seguiu andando e encontrou o capuchinho vermelho.
(música do capuchinho vermelho)
Coelho – Eu sou o coelhinho branco e fui colher couves à horta. Regressei à minha casa para fazer um caldo, mas estava lá a cabra cabraz que me salta em cima e ainda me desfaz. Queres vir comigo?
Capuchinho vermelho- Sinto muito. Eu não posso porque vou levar uns bolinhos à casa da minha avozinha que está muito doente, mas vai ter com a pata Margarida que talvez ela te possa ajudar.



Narrador – o coelhinho branco seguiu andando, andando e encontrou a pata margarida.
(música dos patinhos)
Coelho – Eu sou o coelhinho branco e fui colher couves à horta. Regressei à minha casa para fazer um caldo, mas estava lá a cabra cabracha que me salta em cima e ainda me esborracha. Queres vir comigo?
Pata - Eu não porque vou ter com o pato Donald, mas vai ter com o João Ratão que talvez ele te ajude.
Narrador – O coelhinho continuou andando, andando cada vez mais triste e já sem esperança de poder voltar para a sua casa.
Encontrou-se então com o João Ratão.
(música do João Ratão)
Narrador - Perguntou-lhe:
João Ratão - O que tens coelhinho branco?
Coelho – Pois eu fui colher couves à horta e voltei à casa para fazer um caldo mas estava lá a cabra cabrenta que se me salta em cima ainda me rebenta.
João Ratão – Pois eu vou lá contigo. Eu não tenho medo de uma cabra caprina.
Narrador – E os dois encaminharam-se para a casa do coelhinho. E bateram à porta. Truz, truz…
Cabra – Aqui não entra ninguém. Já cá está a cabra cabressa que se não saem depressa daqui, saltará em cima da vossa cabeça.
João Ratão – E eu sou o João Ratão e como não abres a porta vou assar-te no meu caldeirão.
Narrador – A cabra cabriso teve um ataque de riso.
Assim que o João Ratão entrou pelo buraco deu-lhe com a pá do caldeirão e zás! A cabra escapou aos coices, dizendo:
Cabra – Eu sou a cabra cabressa e a esta casa não volto eu tão depressa.
Narrador: o João Ratão abriu a porta ao coelhinho branco e aos seus amigos e com as couves que trouxe da horta preparam um delicioso caldinho para a ceia de Natal.



3 comentários:

Educadora de Infância disse...

Que belo "caldinho de Natal" vocês prepararam com um caldinho de histórias infantis... viva a criatividade, os meninos vão gostar!

Sala do Arco-íris do Jardim de Cruzeiro

Ideias da Taninha disse...

Eu Desejo...

Que a felicidade não dependa do tempo,
nem da paisagem, nem da sorte, nem do dinheiro.

Que ela possa vir com toda a simplicidade,
de dentro para fora, de cada um para todos.

Que as pessoas saibam falar, calar,
e acima de tudo ouvir.

Que tenham amor ou então sintam falta de não tê-lo.

Que tenham ideal e medo de perdê-lo.

Que amem ao próximo e respeitem sua dor,
para que tenhamos certeza de que viver vale a pena.
Feliz Natal e bom ano novo!Beijokinhas da Taninha

Nexita disse...

Feliz Ano Novo 2009!!! São os votos da Nexita do Reino Encantado das Almofadas :)

Tudo de Bom

Bjokas :)